NILSON RUTIZAT
Escrever para mim é como respirar, eu preciso escrever para continuar vivo.
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Prêmios Contato Links
Textos
Rebelião no inferno (escrevi este cordel aos 9 anos)
Vou contar uma história
Que no inferno se deu
Com a chegada de uma moça
Que no mundo padeceu
Com a maior das tolices
Desprezando nosso Deus.

                                              Desprezava sempre Deus
                                              Nele não acreditava
                                              Se alguém dele falasse
                                              Ela logo se zangava
                                              Questionando o amor divino
                                              Porque não o aceitava

Mas como todo ser humano
Chegou a hora dela
Ela estava morrendo
Quando lhe deram uma vela
E ela amargurada
Não desgrudava da panela.

                                               Na panela era onde ela tinha
                                               Suas coisas de valor
                                               Ela a amava mais que tudo
                                               E da panela não desgrudou
                                               Esquecendo na sua hora
                                               Do eterno salvador.

Ao morrer a passagem
Já estava em sua mão:
- Não tem como errar
Embarque no camburão
- disse-lhe aquele preto
Primo bastado do cão

                                               Ela olhou para ele
                                               Com os olhos de dá dó
                                               E disse seriamente:
                                               - eu sou Margarina Belfó
                                               E não ando com ninguém
                                               Que não use paletó.

Bastrefado disse a ela:
- pode ficar até pelada,
Pois pra onde você vai
É dura a sua jornada
O lugar é tão quente
Que sua alma será torrada.

                                                Ao chegar ao seu destino
                                                Ficou assustada ali,
                                                Mas lá diante de todos
                                                Estava alegre a sorrir
                                                Na recepção do inferno
                                                O diabo Acassabir.

Ele chegou junto dela
E em sua bunda bateu,
Apertou seus seios
E seu pescoço lambeu,
Arranhou sua barriga
E em sua orelha mordeu.

                                                        Com toda aquela pressão
                                                        Ela chorando perguntou:
                                                        - me digam que lugar é esse
                                                        Onde é que eu estou?
                                                        Falam pra mim a verdade
                                                        Não mintam, Por favor!

Naquele mesmo momento
Ouviu-se um ruído
Estava entrando na sala
O conselheiro dos perdidos
Dizendo: - passe pra dentro
Aqui não terás amigos.

                                                        Pegou no braço dela
                                                        E lhe puxando saiu
                                                        Mostrou-lhe todo o inferno
                                                        Tudo o que ela não viu
                                                        E ela sentiu na pele      
                                                        O que antes não sentiu


Foi levada rapidamente
Ao andar aflição
Para fazer seu cadastro
E falar com administração
Pegando com eles a ficha
Para falar com o chefe cão

                                                        A fila lá era imensa
                                                        Dam Mansinha de Cotó
                                                        O diabo que atendia
                                                        De todos era o pior
                                                        Matava a fome com almas
                                                        E a sede com suor

A reclamação era grande
Densinha e diabo Anão
Brigava com Dar Capeta
Era grande a confusão
Ameaçavam uns aos outros
Em denunciar ao patrão.

                                                        Margarina Belfó sofria
                                                         E já não aguentava mais
                                                        Estava sentindo - se perdida
                                                        E não saberia jamais
                                                        Antes de todas as provas
                                                        Onde fica o Satanás.

Perdida e desesperada ela
Resolveu então se juntar
Ao um grupo de diabos
Que viviam a reclamar
Diziam que o inferno não era
Lugar para se morar;
                                                      
                                                         Desimaste, quedubanda
                                                        Catavara e selió
                                                        Juntaram – se todos
                                                        Com Margarina Belfó
                                                        Pra tomar o poder
                                                        Do diabo Mococó.


Margarina Belfó queria
No inferno ser demais
E não se conformava
De ser considerada incapaz
E não aceitava também
O poder do Satanás.

                                                        Rebelião no inferno
                                                        É caso de fofoca
                                                        No bar da diaba Mãe
                                                        Junto com a “Ypióca”
                                                        Só rolava a conversa
                                                        Do diabo a derrota.

A conversa com certeza
Muito longe chegou
Já estava em todo lugar
Até no andar do terror
Nos ouvidos do chefão
Que daquilo não gostou.

                                                        Convocou a gang toda
                                                        Todos que pudesse brigar
                                                        Disse: - vamos todos
                                                        A essa moca derrotar
                                                        Ela não pode chegar aqui
                                                        E o inferno controlar

Disse ao secretário:
- Convoque Barrabaz
Chame Judas e Caim
E avise Satanás
No inferno hoje tem guerra
Avise também o Rapaz

                                                        - Não se esqueça de avisar
                                                        No andar da aflição
                                                        Convoque todos agora;
                                                        O Satanás, o Diabo e o Cão
                                                        E não se esqueça de avisar
                                                        Nosso amigo Lampião.


- Cotozinho lá nos quintos
Deve saber também
Avise a Taba Lascada
Lá do lado do Além
Diga que venham todos
Dadelá e Varevem.

                                                        A fofoca no inferno
                                                        Corre mais que raposa
                                                        Logo todos sabem,
                                                        Pois o diabo mariposa
                                                        Fala mais que todos juntos
                                                        É pior que sua esposa.

Margarina Belfó já sabia
Desde o andar da aflição
Que todos já sabiam
Da sua rebelião,
Mas ela tinha um plano
Ao inferno dizer não.

                                                        Ao descer rapidamente
                                                        La no fogo ela encontrou
                                                        A gang do chefão
                                                        Que parecia um terror
                                                        Ela falou a seus colegas:
                                                        - não me deixem no calor!

Mococó e sua gang
Avançaram assim dizendo:
- vamos em cima molecada
Que já estamos vencendo –
Com uma facada saiu
Diabo lascado gemendo

                                                        Lampião avançou zangado
                                                        Em Margarina Belfó
                                                        Puxou da sua arma
                                                        Dizendo assim sem dó:
                                                        - com a raiva que estou
                                                        Mato até a minha avó.


- Você pode matar
Sua vó e a do cão,
Mas sou Margarina Belfó
Não se meta comigo não
Eu sou mais forte que
Um milhão de lampião.

                                                        Na guerra mais famosa
                                                        Que o inferno já viu
                                                        Entrou diabo do espeto
                                                        Que de repente sumiu
                                                        O diabo abalado
                                                        A derrota ali sentiu.

Margarina Belfó de faca
A diaba mãe derrotou
Matou um monte de cão
E Mococó esfaqueou
Bateu em Acassabir
E o olho do cão furou

                                                        Bateu em Barrabaz
                                                        Surrou também Caim
                                                        Arrancou a cabeça
                                                        De Judas Acaradim
                                                        Transformando o inferno
                                                        Em uma guerra sem fim.

Lampião novamente
Em Margarina avançou
Ela de uma vez
A cabeça dele arrancou
Dizendo: - já se foi o tempo
Em que lampião mandou.

                                                        Ao derrotar a gang
                                                        E matar o cão Anão
                                                        Margarina entrou com tudo
                                                        No andar da aflição
                                                        Queria acertar as contas
                                                        Com má administração.


Bateu na recepcionista
E no secretário também
No governador que governava
A fazenda do além
Fazendo ali em instante
Do inferno seu refém.

                                                        Satanás já assustado
                                                        Resolver logo avisar
                                                        Ao diabo Lúcifer
                                                        O governador chefe de lá
                                                        Lúcifer muito assustado
                                                        Nem lá quis pisar.

Depois de derrotar
Toda a gang do cão
Margarina avisou
No andar da aflição
Que voltaria a terra
Pra encontrar uma paixão.

                                                        Com a partida dela
                                                        O inferno retornou
                                                        A sua função diária
                                                        De espalhar o terror
                                                        Só que a crise já era
                                                        Muito maior que o calor.

Depois desse dia
O inferno padeceu
Lá não existe quem manda
Virou o maior zezeu
E com certeza o diabo
Teve o que mereceu


                                                        Margarina Belfó
                                                        Ninguém jamais viu
                                                        Falar a seu respeito
                                                        Nunca mais se ouviu
                                                        Só sei dizer que ela
                                                        Lá do inferno sumiu

Se você não acredita
E de mim quiser sorrir
Fique a vontade
E pode e lá conferir
Na recepção do inferno
Com o diabo Acassabir.
Nilson Rutizat
Enviado por Nilson Rutizat em 14/02/2012
Comentários